Como esforçar-se para entrar na porta estreita

Lucas 13.24: “Esforcem-se para entrar pela porta estreita, porque eu lhes digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão”.

Vamos nos esforçar:

  1. No conhecimento, Pr 2.1-5.
  2. Na oração, Cl 4.12.
  3. Na reunião, Hb 10.25; 12.1.
  4. No evangelho, Fp 1.30.

Fé e obras, um pacote único

Texto: Tiago 2.14-26

Introdução

a. O pai da Reforma protestante, Martinho Lutero, por não entender as ênfases diferentes de Tiago e Paulo, achou que a carta de Tiago era “uma carta de palha”, isto é, não digna de aceitação nem útil para a fé.

b. O protestantismo sofre até hoje desta deformação doutrinária, ensinando a salvação pela fé somente.

c. O que diz Tiago sobre a fé e as obras?

1. A fé que salva, qual é? 2.14.

a. Essa é a questão de Tiago. O tipo de fé que temos é uma questão de salvação eterna.

b. Tiago, como Paulo, fala que a justificação perante Deus. Tiago afirma que ela vem por meio das obras, vv. 23, 24, 25. Estas não são obras da lei para se fazer merecer a salvação (ênfase de Paulo), mas sim obras de obediência, necessárias para a salvação eterna, Hb 5.9.

2. Fé e obras são um pacote único, 2. 15-18.

a. Não podem ser separadas. Uma implica na outra.

b. É como falar ao irmão: “Fique satisfeito”, sem fazer nada. Não resolve nada. A fé sem obras não resolve nada para nos reconciliar com Deus.

c. Ilustração: Fé e obras são semelhantes ao fruto do Espírito em Gl 5. São vários itens, mas o fruto é um só. São como gomas da laranja.

3. Bons e maus exemplos, 2.19-25.

a. O mau exemplo são os demônios, que têm uma fé sem obras. Eles creem e tremem, mas isso não lhes adianta nada. Quando ele diz: “Muito bem!”, é como quando falamos: “Parabéns”, de forma sarcástica, pois não estamos parabenizando por nada.

b. Os bons exemplos: Abraão e Raabe. Com a fé deles, foram “justificados pelas obras”. A fé deles os levaram a agir, a obedecer. Esta é a fé que justifica perante Deus.

4. Uma ilustração: corpo morto, 2.26.

a. A ilustração: Quando se separam corpo e espírito, a pessoa morre.

b. O significado: Assim, separar fé e obras significa morte espiritual.

E daí?

a. Tenhamos a fé aprovada por Deus, “aperfeiçoada pelas obras” 2.22. Obedeçamos ao mandamento de Deus, para nossa salvação eterna.

b. Vamos rejeitar o que as religiões populares ensinam, para abraçar o ensinamento da palavra de Deus.

Pequeno esboço usado no Urbanova hoje, na série de mensagens sobre a carta de Tiago.

# #obras #salvação

A Escritura perfeita

A palavra ou lei de Deus é perfeita, e por isso ela nos dá:

  1. Ânimo, Sl 19.7. As notícias humanas desanimam; as divinas revigoram.
  2. Prazer, Sl 119.96. Por todo o salmo prazer na lei é enfatizada. Ver v. 92.
  3. Liberdade, Tg 1.25. A lei humana restringe; a lei divina liberta.
  4. Preparação, 2Tm 3.16-17. Somente uma Escritura perfeita podia preparar perfeitamente.

Conclusão: Por essas razões e outras mais, vamos determinar ser ouvintes ávidos da palavra de Deus, praticantes dedicados dela e promotores zelosos desta mensagem.

Mensagem ministrada em Taubaté hoje, na série sobre as coisas divinas perfeitas.

Sermão no meio a crise

O que pregar quando cai de repente uma crise como a do atentado nos EUA na sexta-feira que matou 12 pessoas e feriu mais umas 70, entre estas, jovens da igreja?

Neal Pollard prega numa congregação na cidade de Denver, da qual faz parte a cidade de Aurora, onde ocorreu o incidente. Ele mudou o sermão dele de sexta para domingo, para se dirigir à comunidade abalada de Denver. Continue lendo “Sermão no meio a crise”

O miraculoso, o material e o espiritual

Notas do meu sermão: “O miraculoso, o material e o espiritual”

Texto: Atos 11.27-30

VFL: 27 Nessa mesma época alguns profetas foram de Jerusalém para Antioquia. 28 Ágabo, um desses profetas, se levantou e, pelo poder do Espírito, predisse que haveria uma grande fome em todo o mundo. (Isso aconteceu no tempo em que Cláudio era o Imperador). 29 Então todos os discípulos, cada um conforme as suas posses, resolveram enviar socorro aos irmãos que viviam na Judéia. 30 E assim eles fizeram, e mandaram as suas ofertas aos presbíteros por intermédio de Barnabé e Saulo.

I. O MIRACULOSO

  1. Mais cedo, Deus tinha mostrado a necessidade da igreja pregar o evangelho a todas as pessoas (Pedro e Cornélio em At 10). Deus não pregou, mas mandou sua igreja fazê-lo.
  2. Mostra, agora, por meio de Ágabo, que deve haver solidariedade entre os irmãos. Ele queria que a igreja providenciasse ajuda.
  3. Deus não alimentou os famintos da Judeia por meio de um milagre, como Cristo tinha feito. Por meio da profecia de Ágabo, ele fez com que os cristãos tomassem conhecimento da oportunidade.
  4. Hoje, não precisamos do miraculoso para saber estas duas verdades. Já estamos sabendo! Basta praticar. Continue lendo “O miraculoso, o material e o espiritual”

Sermão: Semear e colher

Veja o esboço do sermão de domingo, dia 12, ministrado na congregação em SJCampos: “Semear e colher”, com três áreas onde o princípio se aplica: ação, compreensão e motivação. Com uma menção, ainda, da morte da cantora Whitney Houston, e da morte de Ananias e Safira.

O arquivo se encontra em formato PDF: 2012sermoes-semear-colher

Se quiser olhar o esboço online, ao invés de baixar, vá para este link.

10 coisas que a igreja faz por Cristo

a igreja de Cristo no mundoDepois de considerarmos o que Cristo fez e faz pela igreja, convém pensar em algumas coisas que a igreja de Cristo faz, ou deve fazer, pelo seu Senhor.

  1. A igreja vive por Cristo, Rm 14.8; 2Co 5.15.
  2. A igreja tem respeito por Cristo, pois ele é Senhor. “Tenham no coração de vocês respeito por Cristo e o tratem como Senhor. Estejam sempre prontos para responder a qualquer pessoa que pedir que expliquem a esperança que vocês têm” (1Pd 3.15 NTLH).
  3. A igreja trata os irmãos, pelo bem, pelo mal, como se fossem o próprio Cristo, Mt 25.31-46; cf. At 9.4; 1Co 8.12. Continue lendo “10 coisas que a igreja faz por Cristo”

10 lições práticas da defesa de Paulo perante Agripa

Paulo prega ao rei Agripa

Algumas lições da leitura do 27 de abril, baseadas em Atos 26, quando Paulo faz sua defesa (pregando Jesus) perante o rei Agripa e o governador Festo.

  1. Mais importante do que a defesa própria é falar de Jesus. “É por causa dessa esperança, ó rei, que estou sendo acusado pelos judeus. Por que é que vocês, judeus, acham impossível crer que Deus ressuscita os mortos?” (7-8, NTLH).
  2. Todas as pessoas estão longe de Deus, na escuridão e perdidas nos seus pecados. Estar longe de Deus significa não viver por ele e pelo seu poder. “Você vai abrir os olhos deles [dos gentios, ou não judeus] a fim de que eles saiam da escuridão para a luz e do poder de Satanás para Deus. Então, por meio da fé em mim, eles serão perdoados dos seus pecados e passarão a ser parte do povo escolhido de Deus” (18). Continue lendo “10 lições práticas da defesa de Paulo perante Agripa”

Pronto para morrer por Jesus

I. Algumas perguntas sobre o texto de Atos 21.1-14

  1. Por que, você acha, há tanto detalhe da viagem que não mostra, aparentemente, nenhum verdade espiritual ou aplicação espiritual? (vv. 1-3)
  2. Ao longo da viagem, o que fizeram em cada parada, quando possível? (vv. 4-7)
  3. Por que isso foi importante para eles? O que isso nos informa a seu respeito?
  4. Qual foi a conclusão que os amigos de Paulo tiraram a partir da profecia de Ágabo?
  5. Em que os amigos de Paulo estavam pensando quando tentaram convencê-lo a não ir a Jerusalém? (vv. 4, 11-12)
  6. Se não era para Paulo evitar a cidade de Jerusalém, por que então a revelação e profecia?

II. Algumas lições a partir do texto Continue lendo “Pronto para morrer por Jesus”

Pontos sobre Lucas 12.1-12: Como vencer a incoerência

Amanhã em SJCampos, o sermão tratará do texto de Lucas 12.1-12: “Como vencer a incoerência”. Jesus fala das influência (fermento) da hipocrisia. Não vamos falar da hipocrisia dos outros, como é o costume de alguns, mas da nossa própria.

Veja alguns pontos sobre a passagem, que servirão, em parte, como introdução do sermão:

  1. Há alguns dias, um ator americano admitiu sua hipocrisia, ao fazer campanha contra a poluição e andar de jato particular. Geralmente, aponta-se a hipocrisia dos outros. Jesus quer que confessemos nossa própria e nos arrependemos dela.
  2. O trecho se divide, conforme os termos marcadores (falar, digo), em três parágrafos: versos 1-3, versos 4-7 e versos 8-10. (As versões de BVozes, NET, NRSV, ESV e NKJV seguem exatamente esta divisão.)
  3. A frase repetida: “Não tenham medo”, no início do verso 4 e no final do verso 7, marca versos 4-7 como um parágrafo e talvez ressalte o ponto do meio como sendo o principal.
  4. Por cada aviso, nos três parágrafos, Jesus recomenda uma atitude que deve ser tomada para cancelar a influência da hipocrisia na vida do discípulo.
  5. A influência da hipocrisia (v. 1) penetra como fermento, espalha como vírus. Essa influência é generalizada, infiltra sem muito alarde e acaba inchando a pessoa como o fermento faz crescer a massa. (Não é à-toa que a hipocrisia conduz à arrogância.)

Venha estar conosco amanhã de manhã. Veja essa página para as informações de horário e local. Os pontos principais do sermão, só amanhã mesmo.

Deus cuida de nós

Conforme prometi, estou colocando o esboço do sermão de hoje de manhã no site para maiores reflexões.

TEXTO: 1 Pedro 5.1-11

INTRODUÇÃO

1. Em contexto de sofrimento pela pregação da sua fé, Pedro quer demonstrar os cuidados de Deus pelos leitores, quer que os discípulos tenham certeza de que Deus cuidará deles.

2. Ele diz que devem confiar no Senhor e continuar pregando: “Por isso mesmo, aqueles que sofrem de acordo com a vontade de Deus devem confiar sua vida ao seu fiel Criador e praticar o bem” (1 Pedro 4.19 NVI).

3. O próximo trecho, o de 5.1-11, também tem como contexto o sofrimento, pois o termo inicia e termina a passagem: (v. 1: “sofrimentos de Cristo”; v. 9: “pelos mesmos sofrimentos”).

4. Há nesse trecho pelo menos oito demonstrações ou evidências do cuidado de Deus pelos cristãos. Continue lendo “Deus cuida de nós”