Meditação para a ceia de comunhão

O apóstolo Paulo se defendeu contra a acusação de que mudava muito de ideia quanto a uma visita aos coríntios. Ele recorreu a um argumento básico: Deus cumpre a sua promessa, especialmente em Jesus, e também seus seguidores cumprem a sua palavra.

Todavia, como Deus é fiel, nossa mensagem a vocês não é “sim” e “não”, pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, pregado entre vocês por mim e também por Silvano e Timóteo, não foi “sim” e “não”, mas nele sempre houve “sim”; pois quantas forem as promessas feitas por Deus, tantas têm em Cristo o “sim”. Por isso, por meio dele, o “Amém” é pronunciado por nós para a glória de Deus. Ora, é Deus que faz que nós e vocês permaneçamos firmes em Cristo. Ele nos ungiu, nos selou como sua propriedade e pôs o seu Espírito em nossos corações como garantia do que está por vir. 2Co 1.18-22 NVI

O sim de Deus em Cristo é a grande afirmação da fidelidade do Senhor. E confirma também a fidelidade daquele que serve a Cristo, como alguém que foi chamado para viver no mesmo espírito.

Se Paulo serve o Deus fiel e o Senhor que cumpriu a sua missão, ele compartilha do mesmo ministério. Assim, o seu trato dos coríntios é sincero e comprometido com o seu bem espiritual.

Na ceia do Senhor, o texto nos lembra que a morte de Cristo é resultado da sua fidelidade. “Todas as promessas de Deus têm o seu ‘sim’ em Jesus Cristo”.

A unção, o selo e a habitação do Espírito nos lembram do nosso batismo. E neste momento de comunhão, Deus faz com que nós permaneçamos firmes em Cristo.

Por isso, na bênção do pão e do cálice, vamos todos dizer “amém” por meio de Jesus Cristo, para a glória de Deus.