Estou preparando um volume para dar apoio aos discípulos na evangelização. O título é: O conhecimento do evangelho. Há vários estudos de autores diversos. Terá mais de 300 páginas.

Uma parte do livro trata de algumas diretrizes para ajudar a entender a Bíblia. (Servirá de complemento do livro: Introdução ao estudo da Bíblia.) Menciono que as culturas e os costumes antigos eram bem diferentes do que nossos hoje. É importante lembrar disso na hora de ler a Bíblia. Dou alguns exemplos dessas diferenças. Esta semana li Êxodo 38.8 sobre os espelhos das mulheres. Que levou a este exemplo:

 Espelhos. Sem saber que os espelhos da antiguidade eram feitos de bronze polido, Jó 37.18, ou outro metal, esse texto não faria nenhum sentido: “Fez a bacia de bronze e a sua base com os espelhos das mulheres que serviam à entrada da Tenda do Encontro” Êxodo 38.8. Por isso, Paulo fala de um “reflexo obscuro, como em espelho” 1 Coríntios 13.12, pois o metal daria apenas uma imagem imperfeita. Mas ainda dava para ver o rosto e perceber suas feições, Tiago 1.23.

Na era moderna, com espelhos baratos que nos fornecem imagens precisas, e ainda com a tecnologia que permite o selfie a todo momento, é preciso perceber a diferença da antiguidade que fica por trás de muitos textos das Escrituras.

Para informações sobre o lançamento do livro, assine o site do Projeto Alcance.